Submarino.com.br
Juliana Dacoregio Rotating Header Image

o gato que ri

Ela acordou e ele estava ao lado. Pensou, aliviada, que bom. Pensou também em virar e enlaçá-lo pela cintura. Não fez isso, mas era uma escolha sabe, talvez o fizesse em alguns segundos. Pensou também em passar a mão em seus cabelos, cheirá-los, encostar o corpo no dele, mesmo que não o abraçasse pela cintura. Só encostar até ficar tudo colado, a cabeça dela na parte de trás das suas costas, quase na nuca. Eram muitas opções, quem sabe escolheria uma ou todas. Ou só virar e dormir de novo, com uma calma enorme, porque afinal ELE ESTAVA ALI! Pareceu tão óbvio, tão certo, tão simples, tão… “correto” que ele estivesse ali. Parecia ser assim que o universo deveria estar alinhado, os planetas todos em seus lugares. Até a cama estava no lugar certo. Mais quente, mais real, mais macia. Quis ir ao banheiro, mas lembrou que as pantufas estavam do lado onde ele dormia. E ao lado dela agora havia uma mesinha de escritório, ia atrapalhar na hora de levantar e pegar as pantufas ao lado dele. Quando pensou na mesa de escritório, algo já soou meio fora de lugar, mas não soube o que. Tudo bem, daria um trabalhão pegar as pantufas, enfim… Ela não lembrava do episódio do carro. Foi muito cruel mesmo fazer uma criança parar de falar, foi muito cruel fazê-lo chorar. Foi muito cruel fazer uma criança chorar, foi muito cruel fazê-lo parar de falar. Tudo aquilo porque ela era fraca e influenciável. E o dia havia começado lindo, um dia de verão, e perguntaram a ela, “mas e se”? E lá, vendo tudo acontecer, ela lembrou do “mas e se”, e a ideia fixa se apossou dela. “Não tem como, não tem como.” Ela não sabia que aquilo estava guardado. Haviam conversado tanto, ele disse que ela nem tinha tentado ainda, ela pediu desculpas, mil desculpas, sabia o quanto era desprezível a maneira que agiu. Mas isso tudo foi antes. Agora estamos nas pantufas. Ela não iria passar por cima dele para pegá-las. Mas aí um segundo de lucidez. Não era uma cabeça ao lado dela. Era o gato que ri.

Be Sociable, Share!

5 Comentários on “o gato que ri”

  1. #1 Le
    on Sep 3rd, 2011 at 06:36

    Eu li. Este, e todos os outros.
    E vou continuar lendo.

  2. #2 Juliana Dacoregio
    on Sep 3rd, 2011 at 21:56

    Tenho me aventurado a escrever contos. Já têm uns espalhados pelo blog. http://t.co/5ETaJz1

  3. #3 Juliana Dacoregio
    on Sep 3rd, 2011 at 21:56

    Tenho me aventurado a escrever contos. Já têm uns espalhados pelo blog. http://t.co/5ETaJz1

  4. #4 Fran Bitencourt.
    on Sep 3rd, 2011 at 22:04

    Tenho me aventurado a escrever contos. Já têm uns espalhados pelo blog. http://t.co/5ETaJz1

  5. #5 Fran Bitencourt.
    on Sep 3rd, 2011 at 22:04

    Tenho me aventurado a escrever contos. Já têm uns espalhados pelo blog. http://t.co/5ETaJz1

Deixe um comentário