Submarino.com.br
Juliana Dacoregio Rotating Header Image

Lista, só se for de Schindler

Palestras motivacionais, livros de auto-ajuda, seminários de administração e até em preleções nas mais diversas igrejas há uma dica em comum: FAÇA LISTAS.

Faça listas do que você quer para o próximo ano. Faça listas do que você deseja alcançar para ser feliz. Faça listas do que realizar, sobre o que orar, dos compromissos a cumprir. A curto, médio e longo prazos: faça listas. “Coloque seus sonhos no papel e assim terá o foco necessário para realizá-los”. Exaltam as listas como o segredo do sucesso.

Quando eu ouvia esse “maravilhoso” conselho me sentia um lixo que nunca iria conseguir coisa alguma na vida, afinal NÃO SEI FAZER LISTAS. Não sei. Simplesmente tenho um bloqueio para listas. Listofobia, talvez (psiquiatras, eis a sugestão de uma patologia a ser estudada). Já tentei. Não adianta. Minha lista acaba perdendo toda a objetividade e vira um texto chato, detalhado, cheio de pormenores. Sou subjetiva demais para colocar no papel o que quero para o futuro em forma de itens. Além disso, basta eu pensar em começar a escrever uma das milagrosas listas que chega a me dar um comichão, ansiedade mesmo… Parece que estou selando o resto da minha vida, sei lá. Mal e mal consigo fazer a lista de filmes que quero assistir.

E então, lendo essa BÊNÇÃO chamada Chuck Pahlaniuk, me deparo com a definição perfeita sobre listas. Uma luz no túnel das baboseiras motivacionais. Nem posso dizer que tirou as palavras da minha boca porque eu nunca tinha pensado nisso dessa forma. É apenas um daqueles momentos iluminados, em que você lê algo e diz ISSO! É ISSO!, e tem vontade de levantar-se e aplaudir.

“Tudo na vida se transforma em um item de uma lista. Algo a ser executado. Você começa a perceber como a vida é monótona. A menor distância entre dois pontos é uma linha reta, uma agenda, uma tabela de horários, o itinerário do resto da sua vida. Nada melhor para mostrar a linha reta daqui até a morte como uma lista.

(Chuck Pahlaniuk, em Sobrevivente)

APLAUSOS

Então fica desde já decretado que não mais me sentirei oprimida com o falácia das listas em prol do sucesso.

 

Be Sociable, Share!

2 Comentários on “Lista, só se for de Schindler”

  1. #1
    on Sep 18th, 2012 at 16:32

    No ponto de vista da biologia no processo natural do sistema celular a vida material se apresenta em uma ordem cronológica e assim também é a vida cronológica do individuo social. Neste turbilhão de acontecimentos da modernidade o ser humano busca a sua auto realização para satisfazer prazeres utópicos, em que, na sua saga acredita estar alimentado conquistas inéditas. Assim, cada momento cronológico da vida vai dando sentida a sua consciência sustentada por significados construídos a cada momento. Os indivíduos passam então a projetar um roteiro para alcançar ou almejar prazeres, ambições, sonhos – conquistas que se sustentaram na memória individual ou coletiva. O que se pode dizer então, é que a busca por sentidos na subjetividade dos indivíduos se relativiza, pois o tempo não para. As realizações do tempo presente viraram passado logo é uma representação e o futuro se esgota em probabilidades, se tratando disso da relativização do individuo sobre o tempo, suas realizações e não realizações geram ansiedade e frustrações e os indivíduos acabam se diluindo no imediatismo dos agoras.

  2. #2 Bia
    on Sep 18th, 2012 at 17:46

    Oi amiga!!!

    Voltei ao mundo dos escritos a pouco…E tinha que passar aqui.
    Minina, eu sou doida por listas.. Se algum psiquiatra estudar essa coisa, pode me usar de cobaia, rsrs
    Beijocas
    Bia

Deixe um comentário